Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Blog Novas Ideias

Quem disse que só tem um jeito?

Blog Novas Ideias

Quem disse que só tem um jeito?

Parabéns, Anali!!!

Hoje, dia 30 de novembro, é um dia especial para o blog Novas Ideias. É o aniversário da nossa querida Anali, colaboradora do blog.

Todo aniversário é bom, ainda mais de um pessoa que a gente quer bem, por isso desejamos muita felicidade a você, Anali. Que cada dia da sua vida seja aproveitado em sua totalidade, com tudo de bom em cada segundo.

Acho que as palavras de Salomão, o grande rei sábio da Bíblia são de grande valia para uma tão especial como essa:

"Descobri que não há nada melhor do que ser feliz e praticar o bem enquanto vive. Poder comer, beber e ser recompensado pelo seu trabalho é um presente de Deus.
Por isso, vá e viva com alegria. Esteja sempre com sentimento de festa no coração, desfrute cada dia dessa vida, pois ninguém sabe quando virá sua hora
". (Livro dos Eclesiastes)



Parabéns Anali!!!

Parabéns, Anali!!!

Hoje, dia 30 de novembro, é um dia especial para o blog Novas Ideias. É o aniversário da nossa querida Anali, colaboradora do blog.

Todo aniversário é bom, ainda mais de um pessoa que a gente quer bem, por isso desejamos muita felicidade a você, Anali. Que cada dia da sua vida seja aproveitado em sua totalidade, com tudo de bom em cada segundo.

Acho que as palavras de Salomão, o grande rei sábio da Bíblia são de grande valia para uma tão especial como essa:

"Descobri que não há nada melhor do que ser feliz e praticar o bem enquanto vive. Poder comer, beber e ser recompensado pelo seu trabalho é um presente de Deus.
Por isso, vá e viva com alegria. Esteja sempre com sentimento de festa no coração, desfrute cada dia dessa vida, pois ninguém sabe quando virá sua hora
". (Livro dos Eclesiastes)



Parabéns Anali!!!

Sobre o Cazuza




@Orfeeu - Vamos falar sério, agora? Andei lendo ultimamente muita crítica destrutiva (e algumas baboseiras) sobre o Agenor Miranda de Araújo Neto, vulgo “Cazuza”, que como todos sabem (ou pelo menos alguns) foi e ainda é um dos maiores compositores da música brasileira. Discussões longas, polêmicas ferrenhas, e muito aborrecimento das partes. Em todas as discussões, surgem os argumentos “mal exemplo”, “traficante”, “drogado”, “homossexual”. Nunca dei atenções. Uma psicóloga escreveu um texto se perguntando o porquê de as pessoas “adorarem” ídolos como Cazuza. Continuei no meu piso. Inflamado, mas no meu piso.

Assisti o Por Toda Minha Vida do Cazuza. Foi muito bom. Pra mim, não foi muita novidade, conheço bastante sobre os causos e histórias do Agenor. Mas sempre é bom se ter uma homenagem pra quem merece. Jobim, Elis Regina, Cazuza, Vinícius, Cartola, sempre serão merecedores de homenagens, mesmo que póstumas. Na comunidade que participo, pipocaram logo em seguida críticas ferinas por pessoas que mal conheciam a vida dele. Ainda bem que temos uma moderação competente.

Minha professora de geografia falou sobre a Aids na África. Curiosamente o assunto chegou até o “personagem” Cazuza. Resolvi me manifestar. E me manifesto neste momento aqui no blog Novas Ideias.



Cazuza não foi a melhor pessoa do mundo. Foi usuário de drogas. Eu particularmente não uso. Cazuza foi bissexual. Eu não sou. Mas não sou preconceituoso. Tenho amigos e amigas homossexuais. Quando perguntam “como as pessoas podem adorar um traficante, um homossexual?” eu me limito a dizer: Elas não adoram um traficante, nem um homossexual. Elas adoram um artista. Artista este de personalidade única, e composições maravilhosas. Elas adoram uma raridade.

Me poupem de comentários sórdidos, não quero saber se ele é mau exemplo. Eu nunca irei seguir exemplos.A maioria quer ser a si mesmo. Temos raras exceções em cima disto. Não foi como um traficante que ele ganhou destaque no cenário artístico brasileiro e mundial. Foi como um excelente compositor, um grande poeta. Ninguém possui moral o suficiente para falar mal de artista ou pessoa A ou B. Seus ídolos também foram errados.

Sobre o “meus heróis morreram de overdose”, qualquer leigo que não souber interpretar ou não saiba um pouco de música fale que isso significa que ele apoiava o consumo de drogas. Procurem saber mais. Janis Joplin, Jimi Hendrix, Elvis.
Sobre o fato de ele ser um homossexual (assim o classificam) é um assunto particular. ELE foi um homossexual. Isso é inaceitável ?
Seus filhos podem ser homossexuais. Vocês vão deixar de amá-los ?
Não quero encobrir defeitos. Também não posso evidenciá-los. Não sou Deus, não sou Juiz.

Cazuza criou marcos em nossa arte musical. Sem dúvida, foi um gênio, dentro e fora do palco. Versos como “Brasil mostra a tua cara”, denunciavam a sociedade brasileira pós-ditadura, que convivia com o medo. Um Brasil que mesmo sobre o nome de República, era dominado pelas ditaduras. O tempo não pára, Bete Balanço, Todo amor que houver nessa vida, são verdadeiras obras primas. Cazuza, junto com Raul Seixas, Renato Russo, ajudaram a reformular o pensamento do brasileiro. Todos falam de um menino mimado, um adolescente rebelde, e uma mãe que não soube criar um filho. Ninguém fala do Cazuza humano, do alegre e divertido garoto, do homem preocupado em denunciar os males de uma sociedade, ou de uma mãe extremamente carinhosa e cuidadosa, que amava muito o filho. Ninguém fala da mulher que mesmo com a morte do filho, não poupou esforços e conseguiu a muito sacrifício, criar e manter a Sociedade Viva Cazuza, que cuida de crianças e adolescentes portadores do HIV.



Você pode até citar os mil e um defeitos do Cazuza. Eu digo coloquialmente: E daí? Eu e você podemos ter dentro de nós, mil e dois defeitos. Seus maiores ídolos também cometeram erros. Foi assim com os Beatles, com o Raul, com o Renato, com a Elis, a Cássia, o Elvis, o Kravitz, a Madonna, o Michael, e sempre vai ser assim. Sabe por quê ? Por quê mesmo na condição de ídolos, eles são humanos. São crias de uma imperfeição, assim como eu e você. E não é por isso que temos o direito de julga-los. Parem de apedrejar uma pessoa com uma história importante. Parem de denegrir uma imagem.

Ao invés disto, procurem ajudar pessoas que necessitam. Procure entrar em contato com entidades, procure desenvolver o seu lado humano. Suas duras críticas sobre Cazuza ou qualquer artista que tenha cometido erros é em vão, pois vivemos em uma sociedade inteligente, onde pessoas gostam de um artista não pelo quê ele apronta, e sim pela sua personalidade e sua mente criativa. Não falo como um fã. Muito menos falo como um crítico. Falo como um ser humano. Um cara que aprecia a boa música e a personalidade única contida dentro do frasco denominado “Cazuza”.

Sobre o Cazuza

Postado por Orfeu

Vamos conversar sério?



Andei lendo ultimamente muita crítica destrutiva (e algumas baboseiras) sobre o Agenor Miranda de Araújo Neto, vulgo “Cazuza”, que como todos sabem (ou pelo menos alguns) foi e ainda é um dos maiores compositores da música brasileira. Discussões longas, polêmicas ferrenhas, e muito aborrecimento das partes. Em todas as discussões, surgem os argumentos “mal exemplo”, “traficante”, “drogado”, “homossexual”. Nunca dei atenções. Uma psicóloga escreveu um texto se perguntando o porquê de as pessoas “adorarem” ídolos como Cazuza. Continuei no meu piso. Inflamado, mas no meu piso.

Assisti o Por Toda Minha Vida do Cazuza. Foi muito bom. Pra mim, não foi muita novidade, conheço bastante sobre os causos e histórias do Agenor. Mas sempre é bom se ter uma homenagem pra quem merece. Jobim, Elis Regina, Cazuza, Vinícius, Cartola, sempre serão merecedores de homenagens, mesmo que póstumas. Na comunidade que participo, pipocaram logo em seguida críticas ferinas por pessoas que mal conheciam a vida dele. Ainda bem que temos uma moderação competente.

Minha professora de geografia falou sobre a Aids na África. Curiosamente o assunto chegou até o “personagem” Cazuza. Resolvi me manifestar. E me manifesto neste momento aqui no blog Novas Ideias.



Cazuza não foi a melhor pessoa do mundo. Foi usuário de drogas. Eu particularmente não uso. Cazuza foi bissexual. Eu não sou. Mas não sou preconceituoso. Tenho amigos e amigas homossexuais. Quando perguntam “como as pessoas podem adorar um traficante, um homossexual?” eu me limito a dizer: Elas não adoram um traficante, nem um homossexual. Elas adoram um artista. Artista este de personalidade única, e composições maravilhosas. Elas adoram uma raridade.

Me poupem de comentários sórdidos, não quero saber se ele é mau exemplo. Eu nunca irei seguir exemplos.A maioria quer ser a si mesmo. Temos raras exceções em cima disto. Não foi como um traficante que ele ganhou destaque no cenário artístico brasileiro e mundial. Foi como um excelente compositor, um grande poeta. Ninguém possui moral o suficiente para falar mal de artista ou pessoa A ou B. Seus ídolos também foram errados.

Sobre o “meus heróis morreram de overdose”, qualquer leigo que não souber interpretar ou não saiba um pouco de música fale que isso significa que ele apoiava o consumo de drogas. Procurem saber mais. Janis Joplin, Jimi Hendrix, Elvis.
Sobre o fato de ele ser um homossexual (assim o classificam) é um assunto particular. ELE foi um homossexual. Isso é inaceitável ?
Seus filhos podem ser homossexuais. Vocês vão deixar de amá-los ?
Não quero encobrir defeitos. Também não posso evidenciá-los. Não sou Deus, não sou Juiz.

Cazuza criou marcos em nossa arte musical. Sem dúvida, foi um gênio, dentro e fora do palco. Versos como “Brasil mostra a tua cara”, denunciavam a sociedade brasileira pós-ditadura, que convivia com o medo. Um Brasil que mesmo sobre o nome de República, era dominado pelas ditaduras. O tempo não pára, Bete Balanço, Todo amor que houver nessa vida, são verdadeiras obras primas. Cazuza, junto com Raul Seixas, Renato Russo, ajudaram a reformular o pensamento do brasileiro. Todos falam de um menino mimado, um adolescente rebelde, e uma mãe que não soube criar um filho. Ninguém fala do Cazuza humano, do alegre e divertido garoto, do homem preocupado em denunciar os males de uma sociedade, ou de uma mãe extremamente carinhosa e cuidadosa, que amava muito o filho. Ninguém fala da mulher que mesmo com a morte do filho, não poupou esforços e conseguiu a muito sacrifício, criar e manter a Sociedade Viva Cazuza, que cuida de crianças e adolescentes portadores do HIV.



Você pode até citar os mil e um defeitos do Cazuza. Eu digo coloquialmente: E daí? Eu e você podemos ter dentro de nós, mil e dois defeitos. Seus maiores ídolos também cometeram erros. Foi assim com os Beatles, com o Raul, com o Renato, com a Elis, a Cássia, o Elvis, o Kravitz, a Madonna, o Michael, e sempre vai ser assim. Sabe por quê ? Por quê mesmo na condição de ídolos, eles são humanos. São crias de uma imperfeição, assim como eu e você. E não é por isso que temos o direito de julga-los. Parem de apedrejar uma pessoa com uma história importante. Parem de denegrir uma imagem.

Ao invés disto, procurem ajudar pessoas que necessitam. Procure entrar em contato com entidades, procure desenvolver o seu lado humano. Suas duras críticas sobre Cazuza ou qualquer artista que tenha cometido erros é em vão, pois vivemos em uma sociedade inteligente, onde pessoas gostam de um artista não pelo quê ele apronta, e sim pela sua personalidade e sua mente criativa. Não falo como um fã. Muito menos falo como um crítico. Falo como um ser humano. Um cara que aprecia a boa música e a personalidade única contida dentro do frasco denominado “Cazuza”.


Orfeu tem 19 anos, é estudante, "escritor, poeta, compositor, aux. administrativo, e vários outros empregos (in)formais"

Escolas mudam vidas

Postado por Anali





Ao pensar em nosso futuro devemos dar atenção a tudo; não basta apenas no sucesso financeiro e trabalhar em algo que não gosta. Devemos pensar em todos os prós e contras e assim achar aquilo com o que nos aproximamos mais.

Como estudar para passar no vestibular se você ainda não sabe o que irá fazer? Isso nos leva a um dilema que inclui muitas coisas. Se você apenas se preparar para o vestibular sem ter em mente o curso que quer fazer, após passar verá que não era bem o que você queria.




Deve-se pesquisar antecipadamente a área em que se irá trabalhar, se há profissionais para o mercado ou não, há muitas áreas que agora estão em alta, mas a chance de se trabalhar são poucas pois buscam profissionais mais especializados, ou seja, não apenas com curso superior.

Pensando-se em tudo isso deve se levar em conta tais fatores: satisfação Pessoal, Mercado Futuro, a Profissão a ser escolhida e estudar para o Vestibular, com isso as chances de se ingressar em uma boa profissão serão maiores.



Anali tem 16 anos, é estudante e colaboradora do Novas Ideias

Escolas mudam vidas

Postado por Anali





Ao pensar em nosso futuro devemos dar atenção a tudo; não basta apenas no sucesso financeiro e trabalhar em algo que não gosta. Devemos pensar em todos os prós e contras e assim achar aquilo com o que nos aproximamos mais.

Como estudar para passar no vestibular se você ainda não sabe o que irá fazer? Isso nos leva a um dilema que inclui muitas coisas. Se você apenas se preparar para o vestibular sem ter em mente o curso que quer fazer, após passar verá que não era bem o que você queria.




Deve-se pesquisar antecipadamente a área em que se irá trabalhar, se há profissionais para o mercado ou não, há muitas áreas que agora estão em alta, mas a chance de se trabalhar são poucas pois buscam profissionais mais especializados, ou seja, não apenas com curso superior.

Pensando-se em tudo isso deve se levar em conta tais fatores: satisfação Pessoal, Mercado Futuro, a Profissão a ser escolhida e estudar para o Vestibular, com isso as chances de se ingressar em uma boa profissão serão maiores.



Anali tem 16 anos, é estudante e colaboradora do Novas Ideias

Ele é incompatível com a democracia

Por Mia Palenza, do blog "Quando As Borboletas Se Calam"


Presidente iraniano Mahamud Ahmadinejad


Com a visita do Presidente iraniano Mahmoud Ahmadinejad ao Brasil, um sentimento que para nós brasileiros parecia tão distante começa a ser discutido em vários meios de comunicação, inclusive no Twitter. Desde o atentado de 11 de setembro, entre outros atentados terroristas promovidos pela rede islâmica Al-Qaeda, e da chamada "Guerra ao Terror", a Islamofobia, um sentimento de ódio ou de repúdio em relação aos muçulmanos e ao Islã, vem crescendo pelo mundo.

Em 3 de junho de 2009 Ahmadinejad chama Holocausto de "grande fraude", descrevendo Israel como "o regime mais criminoso na história humana".

Não é novidade para o Presidente do Irã, este tipo de declaração. Em 2005 após ser eleito, ele causou grande “balburdia”, no Ocidente ao dizer que o Estado de Israel deveria ser riscado do mapa.

A visita de Ahmadinejad e de sua Comitiva foi marcada por protestos no Brasil e pelo mundo. Uma mistura de Islamofobia e indignação tomou conta de parte dos Congressistas americanos e também de alguns deputados no Congresso Brasileiro.
Segundo o nosso Chefe de Estado Luiz Inácio Lula da Silva, nada mais há por trás desta visita a não ser uma tentativa de Conciliação e Paz no Oriente Médio.
O presidente da Câmara dos Deputados, Michel Temer, afirmou que a visita do presidente do Irã, Mahmoud Ahmadinejad, ao Congresso Nacional é apenas “protocolo”. É o presidente de um país e não há como deixar de recebê-lo”, disse Temer.

Segundo o site G1, deputados iniciaram protestos contra a visita. Os deputados Marcelo Itagiba (PSDB-RJ) e Zenaldo Coutinho (PSDB-PA) estão no Salão Verde da Câmara com uma faixa com os dizeres “Holocausto nunca mais”. Eles estão acompanhados de um sobrevivente do Holocausto, Bem Abrahan, presidente da associação brasileira dos sobreviventes do nazismo. Nascido na Polônia, ele tem nacionalidade brasileira. Abrahan viveu por cinco anos e meio em campos de concentração e criticou o governo e o Congresso por receberem o presidente iraniano.



Em nota divulgada em 22 de novembro de 2009, a Executiva do DEM criticou a visita. “O partido entende que a presença de Mahmoud Ahmadinejad no Congresso Nacional seria incompatível com os princípios filosóficos e constitucionais da democracia brasileira.” E recomendou que o Presidente não fosse recebido.
O fato é que o Holocausto existiu, e Mahmoud Ahmadinejad também existe e está no Brasil.





Lula e Ahmadinejad: presidente iraniano afirma ter políticas pacifistas



Seja por interesses comerciais, como compra de terras, petróleo ou por qualquer outro motivo, nós brasileiros devemos nos indignar e refletirmos sobre a visita de um “homem” que utiliza a força para alcançar seus objetivos, ordenando a morte de inocentes, hostilizando a Imprensa nacional e internacional, fraudando eleições e pregando o Ódio no Oriente Médio. A visita de Mahmoud Ahmadinejad não é apenas incompatível com Democracia, mas também fere e vai contra os nossos Ideais e Lutas pela Paz, Igualdade Social, Racial e Liberdade de Imprensa!



Mia Palenzuela é estudante de jornalismo e foi convidada pelo Novas Ideias. Tem seu blog pessoal, "Quando As Borboletas se Calam"

Ele é incompatível com a democracia

Por Mia Palenza, do blog "Quando As Borboletas Se Calam"


Presidente iraniano Mahamud Ahmadinejad


Com a visita do Presidente iraniano Mahmoud Ahmadinejad ao Brasil, um sentimento que para nós brasileiros parecia tão distante começa a ser discutido em vários meios de comunicação, inclusive no Twitter. Desde o atentado de 11 de setembro, entre outros atentados terroristas promovidos pela rede islâmica Al-Qaeda, e da chamada "Guerra ao Terror", a Islamofobia, um sentimento de ódio ou de repúdio em relação aos muçulmanos e ao Islã, vem crescendo pelo mundo.

Em 3 de junho de 2009 Ahmadinejad chama Holocausto de "grande fraude", descrevendo Israel como "o regime mais criminoso na história humana".

Não é novidade para o Presidente do Irã, este tipo de declaração. Em 2005 após ser eleito, ele causou grande “balburdia”, no Ocidente ao dizer que o Estado de Israel deveria ser riscado do mapa.

A visita de Ahmadinejad e de sua Comitiva foi marcada por protestos no Brasil e pelo mundo. Uma mistura de Islamofobia e indignação tomou conta de parte dos Congressistas americanos e também de alguns deputados no Congresso Brasileiro.
Segundo o nosso Chefe de Estado Luiz Inácio Lula da Silva, nada mais há por trás desta visita a não ser uma tentativa de Conciliação e Paz no Oriente Médio.
O presidente da Câmara dos Deputados, Michel Temer, afirmou que a visita do presidente do Irã, Mahmoud Ahmadinejad, ao Congresso Nacional é apenas “protocolo”. É o presidente de um país e não há como deixar de recebê-lo”, disse Temer.

Segundo o site G1, deputados iniciaram protestos contra a visita. Os deputados Marcelo Itagiba (PSDB-RJ) e Zenaldo Coutinho (PSDB-PA) estão no Salão Verde da Câmara com uma faixa com os dizeres “Holocausto nunca mais”. Eles estão acompanhados de um sobrevivente do Holocausto, Bem Abrahan, presidente da associação brasileira dos sobreviventes do nazismo. Nascido na Polônia, ele tem nacionalidade brasileira. Abrahan viveu por cinco anos e meio em campos de concentração e criticou o governo e o Congresso por receberem o presidente iraniano.



Em nota divulgada em 22 de novembro de 2009, a Executiva do DEM criticou a visita. “O partido entende que a presença de Mahmoud Ahmadinejad no Congresso Nacional seria incompatível com os princípios filosóficos e constitucionais da democracia brasileira.” E recomendou que o Presidente não fosse recebido.
O fato é que o Holocausto existiu, e Mahmoud Ahmadinejad também existe e está no Brasil.





Lula e Ahmadinejad: presidente iraniano afirma ter políticas pacifistas



Seja por interesses comerciais, como compra de terras, petróleo ou por qualquer outro motivo, nós brasileiros devemos nos indignar e refletirmos sobre a visita de um “homem” que utiliza a força para alcançar seus objetivos, ordenando a morte de inocentes, hostilizando a Imprensa nacional e internacional, fraudando eleições e pregando o Ódio no Oriente Médio. A visita de Mahmoud Ahmadinejad não é apenas incompatível com Democracia, mas também fere e vai contra os nossos Ideais e Lutas pela Paz, Igualdade Social, Racial e Liberdade de Imprensa!



Mia Palenzuela é estudante de jornalismo e foi convidada pelo Novas Ideias. Tem seu blog pessoal, "Quando As Borboletas se Calam"

Celso Pitta: Um passado que SP prefere não lembrar



Faleceu hoje o ex-prefeito de São Paulo Celso Pitta, aos 63 anos, vítima de um câncer no intestino.

Pitta teve uma carreira política conturbada. Ao se tornar secretário de planejamento da capital paulistana na gestão do prefeito Paulo Maluf, Pitta iniciava uma trajetória que seria marcada por escândalos e muita corrupção.

Em campanha para a prefeitura da capital em 1996 pelo PP - na época o PPB - Pitta recebeu publicamente o apoio do então prefeito Paulo Maluf, que chegou a afirmar: "se o Pitta não for um bom prefeito, nunca mais votem em mim". Sob o slogan "não deixe São Paulo parar", numa clara alusão ao canteiro de obras que São Paulo havia virado na gestão Maluf, Celso Pitta foi eleito com 3.178.330 votos em 15 de novembro de 1996, 57,37% do total, e assumiu o cargo com 73% dos paulistanos esperando que a cidade estaria melhor do que no último ano de governo de Paulo Maluf. Com uma dívida de cerca de R$ 1 bilhão herdada de seu antecessor e alvo de denúncias de irregularidade na emissão e colocação dos títulos públicos de São Paulo no mercado financeiro, o prefeito de São Paulo cortou a verba de investimentos, serviços e manutenção da cidade para tentar controlar a crise financeira. O resultado dessa decisão administrativa foi o acúmulo de lixo nas ruas, calçadas, parques públicos e a invasão do mato sobre as praças e jardins.

Pitta já havia sido condenado em primeira instância a quatro anos e quatro meses de prisão pela emissão irregular de precatórios quando ainda era secretário de Finanças de Paulo Maluf. A gestão Pitta ainda ficou marcada pela Máfia dos Fiscais, esquema de extorsão a donos de imóveis e ambulantes, que levou à cassação de dois vereadores. Ainda surgiram denúncias de nomeação de fantasmas no governo e irregularidades com empresas de lixo.

São Paulo não tem, infelizmente, boas realizações da gestão Pitta para lembrar. Após ter causado grandes estragos à cidade, não só financeiros através de seus desvios de verba pública, como administrativos, Pitta praticamente abandonou a cidade como um todo. Vale lembrar a saúde e transporte de SP, que estavam sucateados.



A saúde, que na época funcionava sob o famigerado plano PAS (Plano de Assistência à Saude), estava simplesmente acabada, com postos de saúde abandonados e sem médicos, além de graves denúncias de desvios de verbas.



O transporte público vivia nas mãos das empresas de ônibus, que mandavam e desmandavam na capital, resultando em veículos velhos e lotados dia a dia, além dos lotações e ônibus "clandestinos", dominados por facções criminosas como o PCC, que arriscavam a vida dos paulistanos (a cooperativa COOPERAUHTON, que funcionava na zona sul, era uma dessas). A situação só veio se resolver na gestão de Marta Suplicy, através do Sistema Interligado e com a criação do Bilhete Único, que tirou autonomia das empresas, e melhorado na gestão Kassab, que aparelhou a SPTrans, dando à ela autoridade sobre as empresas e cooperativas. Para ter uma ideia de como Pitta entregou a cidade, a prefeita Marta Suplicy chegou a ter de usar coletes à prova de balas para participar de reuniões com empresários do transporte público, tal era o nível dos que comandavam o setor na cidade.

Hoje em seu velório, Pitta não recebeu as honras de um ex-prefeito. Nenhum companheiro político da época compareceu, nem qualquer autoridade atual de SP. O prefeito Kassab se limitou a dizer que "a perda de qualquer pessoa é difícil". O governador Serra sequer se manifestou. Nem mesmo seu padrinho Maluf apareceu. São Paulo não tem de que se orgulhar por ter elegido Pitta uma vez, pelo contrário: sua administração faz parte de um passado que São Paulo prefere esquecer. Ele encerra a carreira e a vida deixando lembranças de um passado público sombrio e difícil.

Mas, mesmo assim, independente de qualquer coisa, sentimos pela morte de Pitta. Lutou contra o câncer, mas foi vencido. Infelizmente.

Celso Pitta: Um passado que SP prefere não lembrar



Faleceu hoje o ex-prefeito de São Paulo Celso Pitta, aos 63 anos, vítima de um câncer no intestino.

Pitta teve uma carreira política conturbada. Ao se tornar secretário de planejamento da capital paulistana na gestão do prefeito Paulo Maluf, Pitta iniciava uma trajetória que seria marcada por escândalos e muita corrupção.

Em campanha para a prefeitura da capital em 1996 pelo PP - na época o PPB - Pitta recebeu publicamente o apoio do então prefeito Paulo Maluf, que chegou a afirmar: "se o Pitta não for um bom prefeito, nunca mais votem em mim". Sob o slogan "não deixe São Paulo parar", numa clara alusão ao canteiro de obras que São Paulo havia virado na gestão Maluf, Celso Pitta foi eleito com 3.178.330 votos em 15 de novembro de 1996, 57,37% do total, e assumiu o cargo com 73% dos paulistanos esperando que a cidade estaria melhor do que no último ano de governo de Paulo Maluf. Com uma dívida de cerca de R$ 1 bilhão herdada de seu antecessor e alvo de denúncias de irregularidade na emissão e colocação dos títulos públicos de São Paulo no mercado financeiro, o prefeito de São Paulo cortou a verba de investimentos, serviços e manutenção da cidade para tentar controlar a crise financeira. O resultado dessa decisão administrativa foi o acúmulo de lixo nas ruas, calçadas, parques públicos e a invasão do mato sobre as praças e jardins.

Pitta já havia sido condenado em primeira instância a quatro anos e quatro meses de prisão pela emissão irregular de precatórios quando ainda era secretário de Finanças de Paulo Maluf. A gestão Pitta ainda ficou marcada pela Máfia dos Fiscais, esquema de extorsão a donos de imóveis e ambulantes, que levou à cassação de dois vereadores. Ainda surgiram denúncias de nomeação de fantasmas no governo e irregularidades com empresas de lixo.

São Paulo não tem, infelizmente, boas realizações da gestão Pitta para lembrar. Após ter causado grandes estragos à cidade, não só financeiros através de seus desvios de verba pública, como administrativos, Pitta praticamente abandonou a cidade como um todo. Vale lembrar a saúde e transporte de SP, que estavam sucateados.



A saúde, que na época funcionava sob o famigerado plano PAS (Plano de Assistência à Saude), estava simplesmente acabada, com postos de saúde abandonados e sem médicos, além de graves denúncias de desvios de verbas.



O transporte público vivia nas mãos das empresas de ônibus, que mandavam e desmandavam na capital, resultando em veículos velhos e lotados dia a dia, além dos lotações e ônibus "clandestinos", dominados por facções criminosas como o PCC, que arriscavam a vida dos paulistanos (a cooperativa COOPERAUHTON, que funcionava na zona sul, era uma dessas). A situação só veio se resolver na gestão de Marta Suplicy, através do Sistema Interligado e com a criação do Bilhete Único, que tirou autonomia das empresas, e melhorado na gestão Kassab, que aparelhou a SPTrans, dando à ela autoridade sobre as empresas e cooperativas. Para ter uma ideia de como Pitta entregou a cidade, a prefeita Marta Suplicy chegou a ter de usar coletes à prova de balas para participar de reuniões com empresários do transporte público, tal era o nível dos que comandavam o setor na cidade.

Hoje em seu velório, Pitta não recebeu as honras de um ex-prefeito. Nenhum companheiro político da época compareceu, nem qualquer autoridade atual de SP. O prefeito Kassab se limitou a dizer que "a perda de qualquer pessoa é difícil". O governador Serra sequer se manifestou. Nem mesmo seu padrinho Maluf apareceu. São Paulo não tem de que se orgulhar por ter elegido Pitta uma vez, pelo contrário: sua administração faz parte de um passado que São Paulo prefere esquecer. Ele encerra a carreira e a vida deixando lembranças de um passado público sombrio e difícil.

Mas, mesmo assim, independente de qualquer coisa, sentimos pela morte de Pitta. Lutou contra o câncer, mas foi vencido. Infelizmente.

Pág. 1/8

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2014
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2013
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2012
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2011
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2010
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2009
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2008
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2007
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub