Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Blog Novas Ideias

Quem disse que só tem um jeito?

Blog Novas Ideias

Quem disse que só tem um jeito?

Mensalidades nas Federais: essa eu pago pra ver!



@wesleytalaveira - O artigo 206 inciso IV da Constituição Brasileira diz que o acesso à educação pública no Brasil deve ser gratuito em todos os níveis, seja fundamental, médio ou superior. E assim tem sido desde sempre. Sabe-se também que o ensino superior público no Brasil é o melhor, comparado ao particular. Alunos das Universidades Federais tem qualificação muitíssimo melhor que das universidades particulares, independente de nome. Além do mais, nos últimos anos o acesso às universidades federais aumentou mais de 100%, passando de 113 mil para mais de 228 mil em 7 anos. Ou seja, tem o dobro de universitários com exceletne formação nesse país.

Aí entra o contraponto. Quase sempre os sortudos que conseguem as generosas vagas nas universidades públicas são pessoas de classe média / alta que pagaram por uma educação básica de excelente qualidade e que teriam condições o suficiente para pagar seus estudos em qualquer universidade particular desse país, ao passo que os alunos saídos do péssimo ensino básico público mal conseguem passar nos famigerados vestibulares medíocres das faculdades particulares. Ou seja, quem seria realmente beneficiado com o ensino superior gratuito, raramente consegue obter esse benefício, e quem recebe o benefício são pessoas que tem condições o suficiente para pagar. Isso não é regra, mas é a maioria.

Alguns discutem há um tempo um projeto polêmico: a cobrança de mensalidades no ensino superior federal. Só que até hoje ninguém teve coragem de sequer levar isso ao conhecimento público, já que seria um tira-votos gigante para qualquer político. Mas, surpreendentemente, o assunto veio à tona na campanha de ninguém menos que Dilma. Não por parte do PT, mas do principal sanguessuga, ops, aliado do governo, o PMDB. O partido propõe para Dilma a cobrança progressiva de mensalidades a alunos com renda familiar anual superior a 150 salários mínimos - R$ 76.500,00. O PT é contra, já que no projeto petista consta exatamente o contrário: garantir o acesso gratuito ao ensino superior federal.

Talvez a cobrança de mensalidade corrigiria uma grande injustiça: pessoas que podem pagar ensino superior usam a vaga de alunos que não tem a menor condição de pagar os estudos; é assim que funciona nas Universidades Federais. Além do mais, a cobrança não seria a todos, mas aos que tem condições. Esse valor seria revertido à criação de novas vagas, e garantir a democratização do ensino superior público no Brasil que ainda tem tantos poucos universitários de qualidade.

Provavelmente esse projeto nem entre mesmo no plano de governo da Dilma e de qualquer outro candidato, mas que é interessante, isso é.

Mensalidades nas Federais: essa eu pago pra ver!



@wesleytalaveira - O artigo 206 inciso IV da Constituição Brasileira diz que o acesso à educação pública no Brasil deve ser gratuito em todos os níveis, seja fundamental, médio ou superior. E assim tem sido desde sempre. Sabe-se também que o ensino superior público no Brasil é o melhor, comparado ao particular. Alunos das Universidades Federais tem qualificação muitíssimo melhor que das universidades particulares, independente de nome. Além do mais, nos últimos anos o acesso às universidades federais aumentou mais de 100%, passando de 113 mil para mais de 228 mil em 7 anos. Ou seja, tem o dobro de universitários com exceletne formação nesse país.

Aí entra o contraponto. Quase sempre os sortudos que conseguem as generosas vagas nas universidades públicas são pessoas de classe média / alta que pagaram por uma educação básica de excelente qualidade e que teriam condições o suficiente para pagar seus estudos em qualquer universidade particular desse país, ao passo que os alunos saídos do péssimo ensino básico público mal conseguem passar nos famigerados vestibulares medíocres das faculdades particulares. Ou seja, quem seria realmente beneficiado com o ensino superior gratuito, raramente consegue obter esse benefício, e quem recebe o benefício são pessoas que tem condições o suficiente para pagar. Isso não é regra, mas é a maioria.

Alguns discutem há um tempo um projeto polêmico: a cobrança de mensalidades no ensino superior federal. Só que até hoje ninguém teve coragem de sequer levar isso ao conhecimento público, já que seria um tira-votos gigante para qualquer político. Mas, surpreendentemente, o assunto veio à tona na campanha de ninguém menos que Dilma. Não por parte do PT, mas do principal sanguessuga, ops, aliado do governo, o PMDB. O partido propõe para Dilma a cobrança progressiva de mensalidades a alunos com renda familiar anual superior a 150 salários mínimos - R$ 76.500,00. O PT é contra, já que no projeto petista consta exatamente o contrário: garantir o acesso gratuito ao ensino superior federal.

Talvez a cobrança de mensalidade corrigiria uma grande injustiça: pessoas que podem pagar ensino superior usam a vaga de alunos que não tem a menor condição de pagar os estudos; é assim que funciona nas Universidades Federais. Além do mais, a cobrança não seria a todos, mas aos que tem condições. Esse valor seria revertido à criação de novas vagas, e garantir a democratização do ensino superior público no Brasil que ainda tem tantos poucos universitários de qualidade.

Provavelmente esse projeto nem entre mesmo no plano de governo da Dilma e de qualquer outro candidato, mas que é interessante, isso é.

Blog Novas Ideias em Portugal

Olá, amigos.

 

Está a nascer um blog novo em Portugal: o Blog Novas Ideias, que já é conhecido entre os brasileiros pelo ser perfil contestador e questionador, agora se aproxima dos irmãos portugueses.

 

Teremos aqui o mesmo perfil do sítio brasileiro, mas com uma linguagem aproximada à Portugal.

 

Sejam todos bem vindos.

Direito ao corpo X direito à vida


@wesleytalaveira - Que o aborto é uma das maiores discussões do mundo moderno, isso é. Falar em aborto é muito mais do que dizer SIM ou NÃO. É analisar cada situação, cada pessoa, tanto porque há o velho conflito de direitos. Uns falam no direito da mulher sobre o próprio corpo, outros falam no direito da criança à vida. Além disso, falar em aborto leva a outros assuntos tão importantes quanto o próprio tema.

De um bate papo no Twitter em que participaram a Sílvia Geruza Rodrigues(@jubis4), Silvana Ferrari(@silferrari), Gláucia Mantoan (@glauciamantoan), Maria Júlia Manzi (@juliamanzi), Ana Gouvea (@anagouvea) e André Santos (@andresantos_mg), resultou um debate inteligente sobre o tema, que se desdobrou em outros vários, cada um tão complexo como o outro.

Num ponto, todos concordamos: o aborto como solução de casais estáveis à simples insatisfação com uma gravidez é condenado. Uma pesquisa do Vox Populi mostra que 84% dos brasileiros condenam o aborto por gravidez indesejada. Todos concordaram que o sexo implica em responsabilidades, que só o faça quem está disposto a assumir as consequências, como disse a @juliamanzi, e que o uso do preservativo e de meios contraceptivos é fundamental para prevenir não só a gravidez indesejada, mas também DST's, câncer no colo do útero e outras doenças mais, como bem lembrou a @jubis4. Aborto como o "jeitinho" para resolver uma gravidez acidental é visto como crime contra a vida pelo Artigo 124 do Código Penal, que prevê pena de 1 a 3 anos de detenção!

O projeto de descriminalização do aborto existe (PL 1135/91). Para a @silferrari a legalização não incentivaria as mulheres a abortarem, por causa dos grandes traumas psicológicos que o aborto trás. Se a droga fosse legalizada, você ia cheirar ou fumar?, diz ela.

Mas há os "casos legais", como disse a @glauciamantoan, em que o aborto é permitido pela legislação; o artigo 128 do Código Civil cita que o aborto é permitido em casos de estupro, e uma liminar dada pelo Ministro do TSF Marco Aurélio Melo em 2004 permite o aborto de crianças anencéfalas. Mas o artigo 7 do Estatuto da Criança e do Adolescente prevê que a criança nascitura tem direito a vida. E aí?

A @glauciamantoan acredita que o direito de decidir pelo aborto nesses casos extremos deve existir, mesmo que a mulher opte por ter a criança, assim como tem quem não aceite fazer uma transfusão de sangue pra sobreviver. Ela fala ainda que "nenhuma mulher pode ser obrigada a carregar o fruto de 1 estupro por 9 meses na barriga, não basta o crime ainda tem a tortura".

Já a @juliamanzi foi categórica em afirmar: não existem casos extremos. A vida é um valor absoluto. Quem tem poder pra dizer que a vida de um anencéfalo, síndrome de Down e etc vale menos do que a tua ou a minha?. Quanto ao aborto em casos de estupro, ela fala ainda: por que a criança nascida de um estupro tem que ser condenada à morte se nem o estuprador vai receber tal pena?. O @andresantos_mg tem um ótimo reforço para essa ideia: sua história de vida: sou um adotivo que escapou do aborto. Não mudei o mundo, e as vezes acho que nem faço diferença. Mas tô vivo, trabalhando.

A @jubis4 vai além: é a favor de a mulher ter a criança e entregar para a adoção, pois assim o direito da criança de existir seria preservado, opinião reforçada pelo @andresantos_mg. Aí nos desdobramos num outro assunto complicado: a questão da adoção no Brasil. Se sabe que curiosamente há mais famílias na fila de espera da adoção do que crianças para serem adotadas. Mas os orfanatos continuam cheios. Por que? A ONG Associazione Amici dei Bambini (Ai.Bi) esclarece o motivo: 72% dos brasileiros preferem adotar uma criança branca (preconceito racial?); destes, 67% querem que seja um bebê com cerca de 6 meses, e a realidade dos orfanatos é outra: 63,6% dos menores abrigados nos cerca de 600 orfanatos no Brasil são afro-descendentes e 61,3%1 deles tem entre 7 e 15 anos. Como disse a @silferrari, famílias, em tese, temos de sobra, não temos é amor pra isso. Amam apenas o próprio sangue, infelizmente. Mas esse é um outro assunto complexo que renderia um outro post.

A realidade é a seguinte: o aborto é mais complicado do que parece ser, e cada caso é um caso diferente, com histórico diferente e implicações diferentes. Bom seria que esses "casos extremos" não existissem, principalmente o estupro, que deveria ser melhor combatido pelo Poder Público. Acho que o corpo e o psicológico da mulher é algo tão complexo que seriam necessários milhares de posts para tentar apenas entender. Repetindo, cada caso é um caso!

A mulher, com toda sua feminilidade e fragilidade deve ser amada e protegida, e a criança, mesmo nascitura, também. Como resolver?

Tire suas conclusões.

Direito ao corpo X direito à vida


@wesleytalaveira - Que o aborto é uma das maiores discussões do mundo moderno, isso é. Falar em aborto é muito mais do que dizer SIM ou NÃO. É analisar cada situação, cada pessoa, tanto porque há o velho conflito de direitos. Uns falam no direito da mulher sobre o próprio corpo, outros falam no direito da criança à vida. Além disso, falar em aborto leva a outros assuntos tão importantes quanto o próprio tema.

De um bate papo no Twitter em que participaram a Sílvia Geruza Rodrigues(@jubis4), Silvana Ferrari(@silferrari), Gláucia Mantoan (@glauciamantoan), Maria Júlia Manzi (@juliamanzi), Ana Gouvea (@anagouvea) e André Santos (@andresantos_mg), resultou um debate inteligente sobre o tema, que se desdobrou em outros vários, cada um tão complexo como o outro.

Num ponto, todos concordamos: o aborto como solução de casais estáveis à simples insatisfação com uma gravidez é condenado. Uma pesquisa do Vox Populi mostra que 84% dos brasileiros condenam o aborto por gravidez indesejada. Todos concordaram que o sexo implica em responsabilidades, que só o faça quem está disposto a assumir as consequências, como disse a @juliamanzi, e que o uso do preservativo e de meios contraceptivos é fundamental para prevenir não só a gravidez indesejada, mas também DST's, câncer no colo do útero e outras doenças mais, como bem lembrou a @jubis4. Aborto como o "jeitinho" para resolver uma gravidez acidental é visto como crime contra a vida pelo Artigo 124 do Código Penal, que prevê pena de 1 a 3 anos de detenção!

O projeto de descriminalização do aborto existe (PL 1135/91). Para a @silferrari a legalização não incentivaria as mulheres a abortarem, por causa dos grandes traumas psicológicos que o aborto trás. Se a droga fosse legalizada, você ia cheirar ou fumar?, diz ela.

Mas há os "casos legais", como disse a @glauciamantoan, em que o aborto é permitido pela legislação; o artigo 128 do Código Civil cita que o aborto é permitido em casos de estupro, e uma liminar dada pelo Ministro do TSF Marco Aurélio Melo em 2004 permite o aborto de crianças anencéfalas. Mas o artigo 7 do Estatuto da Criança e do Adolescente prevê que a criança nascitura tem direito a vida. E aí?

A @glauciamantoan acredita que o direito de decidir pelo aborto nesses casos extremos deve existir, mesmo que a mulher opte por ter a criança, assim como tem quem não aceite fazer uma transfusão de sangue pra sobreviver. Ela fala ainda que "nenhuma mulher pode ser obrigada a carregar o fruto de 1 estupro por 9 meses na barriga, não basta o crime ainda tem a tortura".

Já a @juliamanzi foi categórica em afirmar: não existem casos extremos. A vida é um valor absoluto. Quem tem poder pra dizer que a vida de um anencéfalo, síndrome de Down e etc vale menos do que a tua ou a minha?. Quanto ao aborto em casos de estupro, ela fala ainda: por que a criança nascida de um estupro tem que ser condenada à morte se nem o estuprador vai receber tal pena?. O @andresantos_mg tem um ótimo reforço para essa ideia: sua história de vida: sou um adotivo que escapou do aborto. Não mudei o mundo, e as vezes acho que nem faço diferença. Mas tô vivo, trabalhando.

A @jubis4 vai além: é a favor de a mulher ter a criança e entregar para a adoção, pois assim o direito da criança de existir seria preservado, opinião reforçada pelo @andresantos_mg. Aí nos desdobramos num outro assunto complicado: a questão da adoção no Brasil. Se sabe que curiosamente há mais famílias na fila de espera da adoção do que crianças para serem adotadas. Mas os orfanatos continuam cheios. Por que? A ONG Associazione Amici dei Bambini (Ai.Bi) esclarece o motivo: 72% dos brasileiros preferem adotar uma criança branca (preconceito racial?); destes, 67% querem que seja um bebê com cerca de 6 meses, e a realidade dos orfanatos é outra: 63,6% dos menores abrigados nos cerca de 600 orfanatos no Brasil são afro-descendentes e 61,3%1 deles tem entre 7 e 15 anos. Como disse a @silferrari, famílias, em tese, temos de sobra, não temos é amor pra isso. Amam apenas o próprio sangue, infelizmente. Mas esse é um outro assunto complexo que renderia um outro post.

A realidade é a seguinte: o aborto é mais complicado do que parece ser, e cada caso é um caso diferente, com histórico diferente e implicações diferentes. Bom seria que esses "casos extremos" não existissem, principalmente o estupro, que deveria ser melhor combatido pelo Poder Público. Acho que o corpo e o psicológico da mulher é algo tão complexo que seriam necessários milhares de posts para tentar apenas entender. Repetindo, cada caso é um caso!

A mulher, com toda sua feminilidade e fragilidade deve ser amada e protegida, e a criança, mesmo nascitura, também. Como resolver?

Tire suas conclusões.

Você tem Facebook?


@wesleytalaveira - O Facebook é uma febre mundial. Se aqui no Brasil dos orkuteiros ainda não conseguiu o devido destaque, no resto do mundo é unanimidade. Mas um movimento pretende abalar as estruturas da mairo rede social do mundo: o Quit Facebook Day foi criado com o objetivo de realizar um cancelamento em massa de contas do Facebook. E tem data marcada: dia 31 de maio é o dia para quem quer participar do "movimento" e cancelar sua conta.

O site lista 10 motivos para cancelar o perfil no Facebook:

1 – Uma bela porcaria: Não é uma boa rede social. Os aplicativos são ruins, a navegação é confusa e nada é personalizável;

2 – Open Web ilusória: Chamar a nova plataforma de Open Graph esconde que ela é proprietária para o Facebook;

3 – Impossível ir embora: É muito complicado encerrar uma conta no Facebook e ainda mais excluir seu perfil completamente;

4 – Falha técnica: O Facebook não tem competência técnica suficiente para proteger usuários e evitar roubo de dados;

5 – Tudo para os plugins: Até informações pessoais são compartilhadas com aplicativos. Na prática, todo dado é público;

6 – Facebook valentão: Quem apontou os problemas no sistema de privacidade da rede social foi processado;

7 – Guerra ao privado: “O padrão agora é social”. Ao tornar os dados públicos, o Facebook lucra com publicidade;

8 – Fraude no contrato: Os termos de privacidade foram alterados e dados privados dos usuários se tornaram públicos;

9 – Criador antiético: Zuckerberg tem histórico de ações antiéticas. Já foi acusado de invasão de e-mails e de plágio;

10 – Só direito, sem dever: Todo conteúdo postado é deles e sua conta pode ser cancelada se os dados não forem atualizados.

Se vão ter êxito, não se sabe. Mas vale a pena acompanhar.

Você tem Facebook?


@wesleytalaveira - O Facebook é uma febre mundial. Se aqui no Brasil dos orkuteiros ainda não conseguiu o devido destaque, no resto do mundo é unanimidade. Mas um movimento pretende abalar as estruturas da mairo rede social do mundo: o Quit Facebook Day foi criado com o objetivo de realizar um cancelamento em massa de contas do Facebook. E tem data marcada: dia 31 de maio é o dia para quem quer participar do "movimento" e cancelar sua conta.

O site lista 10 motivos para cancelar o perfil no Facebook:

1 – Uma bela porcaria: Não é uma boa rede social. Os aplicativos são ruins, a navegação é confusa e nada é personalizável;

2 – Open Web ilusória: Chamar a nova plataforma de Open Graph esconde que ela é proprietária para o Facebook;

3 – Impossível ir embora: É muito complicado encerrar uma conta no Facebook e ainda mais excluir seu perfil completamente;

4 – Falha técnica: O Facebook não tem competência técnica suficiente para proteger usuários e evitar roubo de dados;

5 – Tudo para os plugins: Até informações pessoais são compartilhadas com aplicativos. Na prática, todo dado é público;

6 – Facebook valentão: Quem apontou os problemas no sistema de privacidade da rede social foi processado;

7 – Guerra ao privado: “O padrão agora é social”. Ao tornar os dados públicos, o Facebook lucra com publicidade;

8 – Fraude no contrato: Os termos de privacidade foram alterados e dados privados dos usuários se tornaram públicos;

9 – Criador antiético: Zuckerberg tem histórico de ações antiéticas. Já foi acusado de invasão de e-mails e de plágio;

10 – Só direito, sem dever: Todo conteúdo postado é deles e sua conta pode ser cancelada se os dados não forem atualizados.

Se vão ter êxito, não se sabe. Mas vale a pena acompanhar.

MTV fará debate com presidenciáveis




Weslley Talaveira - Em tempos antigos, os jovens eram os mais envolvidos com a política & derivados. Lutavam, protestavam, enfim, tinham intensa militância, seja por um partido específico, seja apartidário, apenas reinvindicando o que é de direito do país. Mas atualmente todo mundo sabe que os jovens são os mais avesso à política. Falar no assunto é uma boa forma de ser considerado o chato da turma.

Mas parece que a MTV, TV que tem a maior influência entre os jovens no Brasil, quer reverter esse quadro, ou pelo menos tentar. E vai tentar isso fazendo algo inédito em seus 20 anos de história: vai realizar um debate entre os candidatos à Presidência da República. Sim, a MTV será a segunda emissora a realizar debate, marcado para o dia 10 de agosto, com mediação do apresentador Cazé. Para estar preparada para o evento, a MTV contratou nomes de peso do jornalismo, como Marcelo Soares, vencedor do Prêmio Esso de Jornalismo com o site Excelências, que monitora as ações dos políticos. Além de o debate, a MTV prepara também uma grande cobertura das eleições de 2010. Tudo com o objetivo de tentar colocar novamente a política entre os assuntos dos jovens. Segundo o próprio Cazé, "o jovem gosta e faz política o tempo todo: em casa, na escola, no trabalho, com os amigos e namorados. A política é fascinante, mas, de uma maneira geral, apresentada de forma maçante. Faremos uma cobertura diferente, numa linguagem que o jovem vai entender, gostar e se interessar ainda mais".

A ideia é ótima. Para que possamos sonhar com um Brasil mais inteligente politicamente no futuro, precisamos investir nos adolescentes e jovens, fazendo com que eles tenham o interesse devido pela política, que analisem seus candidatos, que cobrem os compromissos assumidos em campanha e tudo mais. O senso crítico dos jovens pode ajudar e muito a fazermos uma política mais séria, livre da hipocrisia e da compra indireta de votos que vemos hoje no Brasil.

Quem sabe ainda poderemos ter, no futuro, uma política melhor?

MTV fará debate com presidenciáveis




Weslley Talaveira - Em tempos antigos, os jovens eram os mais envolvidos com a política & derivados. Lutavam, protestavam, enfim, tinham intensa militância, seja por um partido específico, seja apartidário, apenas reinvindicando o que é de direito do país. Mas atualmente todo mundo sabe que os jovens são os mais avesso à política. Falar no assunto é uma boa forma de ser considerado o chato da turma.

Mas parece que a MTV, TV que tem a maior influência entre os jovens no Brasil, quer reverter esse quadro, ou pelo menos tentar. E vai tentar isso fazendo algo inédito em seus 20 anos de história: vai realizar um debate entre os candidatos à Presidência da República. Sim, a MTV será a segunda emissora a realizar debate, marcado para o dia 10 de agosto, com mediação do apresentador Cazé. Para estar preparada para o evento, a MTV contratou nomes de peso do jornalismo, como Marcelo Soares, vencedor do Prêmio Esso de Jornalismo com o site Excelências, que monitora as ações dos políticos. Além de o debate, a MTV prepara também uma grande cobertura das eleições de 2010. Tudo com o objetivo de tentar colocar novamente a política entre os assuntos dos jovens. Segundo o próprio Cazé, "o jovem gosta e faz política o tempo todo: em casa, na escola, no trabalho, com os amigos e namorados. A política é fascinante, mas, de uma maneira geral, apresentada de forma maçante. Faremos uma cobertura diferente, numa linguagem que o jovem vai entender, gostar e se interessar ainda mais".

A ideia é ótima. Para que possamos sonhar com um Brasil mais inteligente politicamente no futuro, precisamos investir nos adolescentes e jovens, fazendo com que eles tenham o interesse devido pela política, que analisem seus candidatos, que cobrem os compromissos assumidos em campanha e tudo mais. O senso crítico dos jovens pode ajudar e muito a fazermos uma política mais séria, livre da hipocrisia e da compra indireta de votos que vemos hoje no Brasil.

Quem sabe ainda poderemos ter, no futuro, uma política melhor?

Perdão ao erro, rigor ao crime!



Weslley Talaveira - Como diria minha mãe, "é o fim dos tempos". A cada dia temos visto maldades como nunca antes se viu. Assassinatos, sequestros violentos, maldades que ficam difíceis de serem explicadas até mesmo pelos melhores especialistas em comportamento humano.

Uma dessas maldades que o mundo atual vê com frequência é a pedofilia. Homens que abusam de crianças e pré-adolescentes com o único objetivo de se satisfazer sexualmente tem aparecido aos montes. Não que esse seja um problema novo, mas só agora as denúncias começaram a aparecer.

E o que dizer de padres, fonte de irrestrita confiança de pessoas humildes das pequenas cidades, que cometem pedofilia? Homens escolhidos a dedo para serem representantes da maior religião do mundo, para estarem junto das pessoas devotas, para aconselhar, para apoiar. O que dizer quando o crime vem desses homens?

Sim, a pedofilia é um mal dentro da Igreja Católica, ou nas palavras do próprio Jesus Cristo, um "joio" que insiste em crescer de maneira sutil e vem fazendo vítimas em todo o mundo. Sacerdotes crueis que usam da credibilidade de sua batina para se satisfazer sexualmente. Se o celibato pode ser considerada um dos motivos disso? Discuti isso nesse post, e portanto não vou entrar nesse mérito agora, mas o fato é que esse é um problema que não pode ser desconsiderado pela liderança católica.

E "graças a Deus" não está sendo. Há que se reconhecer a disposição do clero católico em combater a pedofilia, a começar pelo Papa Bento XVI, que tem dado claras amostras de que não vai tolerar crimes entre sacerdotes. Além de o próprio Papa ter falado várias vezes que os pedófilos não serão "escondidos" pela Igreja, o Cardeal Dom Cláudio Humes disse na convenção da CNBB algo que me chamou a atenção: "o pecado será sempre perdoado, mas o crime será punido tanto pelas normas eclesiásticas como pelas leis civis". Além disso, toda a Igreja tem ordens para colaborar com investigações policiais e entregar padres suspeitos.

É bom saber que, pelo menos ao que parece, a impunidade ainda não chegou à Igreja. Pelo menos na Católica. Fosse na Igreja Evangélica, tudo seria tratado como "perseguição contra o povo de Deus" e "astúcias do diabo".

Basta esperar, para ver esse mal ser eliminado.

Pág. 1/2

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2014
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2013
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2012
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2011
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2010
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2009
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2008
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2007
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub