Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Blog Novas Ideias

Quem disse que só tem um jeito?

Blog Novas Ideias

Quem disse que só tem um jeito?

Será que #somostodosmacacos, mesmo?



É curioso como as redes sociais funcionam tão bem quanto o assunto é espalhar modinha. Depois do ato horrível de racismo contra o jogador Daniel Alves durante um jogo do Barcelona, em que um torcedor atirou uma banana no gramado, uma onda aparentemente bem intencionada correu a internet afora. Depois da reação espontânea do jogador, que pegou a banana e a comeu em pleno gramado, uma nova modinha correu o Facebook, Twitter & derivados, em que pessoas postam fotos comendo banana com a hashtag #somostodosmacacos. Claro que a ideia não surgiu de uma pessoa comum. Quem iniciou isso, inocentemente, foi o singelo e humilde jogador Neymar Jr, que postou uma foto com seu lindo filho comendo uma banana. 

Aí pronto, a coisa pegou. Meio mundo comendo banana adoidado, Luciano Huck tentando surfar na onda da modinha pra vender camiseta, enfim, a coisa pegou mesmo. Aí pensei: será que #somostodosmacacos mesmo?



Não tem como negar: a modinha só pegou mesmo porque tem artista envolvido, e se tem uma coisa que artista adora fazer é criar modinha bonitinha na internet pra mostrar pra todo mundo como eles são bonzinhos e engajados, apesar de serem podres de ricos e de mal conhecerem o Brasil real. Já foi descoberto também que a ação "inocente" do Neymar Jr. foi, na verdade, criação de uma agência de publicidade, a mesma que gerencia o staff do jogador. Ou seja, o Neymar apenas aproveitou um acontecimento horrível para ganhar mais popularidade e sair "bem na fita". Qualquer outra pessoa que fizesse isso seria chamada de "lixo", "aproveitador" e etc pelos internautas, mas como é o Neymar...

Mas enfim, será que todo mundo que embarcou na modinha se "solidarizou" com o Daniel Alves realmente sabe o que está dizendo? Ao dizer que #somostodosmacacos, dizem que não aceitam o racismo e que as pessoas devem ser tratados de igual para igual. Tá, vamos ao mundo real?

Você está andando na rua e, por algum motivo, resolve sentar num banco de uma praça qualquer. Ao seu lado senta um negro usando boné de aba reta e ouvindo funk, e esse negro resolve te olhar. Como você reage? Você está dirigindo seu carro e um negro numa moto para ao seu lado. Como você reage? 


Vamos sair da briga de raças e enveredar por outros campos, como o da homossexualidade, por exemplo. Já disseram na internet que o Richarlysson vive sendo chamado de viado nos campos, mas ninguém resolveu criar uma campanha do tipo #somostodosviados. Todos os dias gordos são hostilizados nas ruas e nos programas do "novo humor" da TV brasileira. Alguém criou uma campanha #somostodosgordos? Diariamente velhos são maltratados no transporte público no Brasil. Alguém criou algo do tipo #somostodosvelhos

O que estou questionando não é o fato de se ter criado uma campanha e todo o barulho em volta dela, pois o racismo é sim algo horrível que nem deveria ser debatido mais, se é que nos consideramos um mundo minimamente civilizado. O que questiono é a motivação. Será que aderimos a campanha porque queremos realmente o debate ou apenas porque o Neymar publicou uma foto fofinha do filho dele, e todos resolvemos fazer igual pra aparecer nas buscas do Twitter? 

Não adianta #sermacaco e não cumprimentar o porteiro, maltratar a empregada doméstica, passar com o carro em cima de poça de água só pra ver as pessoas na calçada correndo feitos gatos escaldados. Se é que queremos ser conscientes devemos ser de forma integral. E sem a necessidade de campanha, de foto bonitinha nem camiseta de R$ 69 da grife do Luciano Huck. 

Somos todos humanos, independente da raça, cor, credo religioso, orientação sexual, posição social, conta bancária ou nível de escoladirade. Enfim, #somostodosiguais

Top Blog 2013 / 2014: amigos, polêmicas e nosso honroso Terceiro Lugar



Sim, na entrega do prêmio da 5° edição do Top Blog 2013/2014, na sexta passada 25 de abril em São Paulo, aconteceu de tudo. Discursos, surpresas, polêmicas, fofuras e tudo o mais. Enfim, foi uma noite completa. E incrível. 

Comandada pelo apresentador da Mix TV Caco de Castro, a noite do Top Blog teve plateia cheia no Teatro Unip, composta por gente de todo o país: Recife, Salvador, Minas Gerais, enfim, pessoas de todos os lugares marcaram presença para receber seu prêmio ou prestigiar os vencedores. Várias categorias premiaram e reconheceram o trabalho de blogueiros de todos os lugares. Desde blogs de arte, celebridades até tecnologia e games, todas as áreas foram representadas na entrega do prêmio. 

Uma das polêmicas da noite foi durante a entrega do prêmio ao Blog da Dilma, vencedor na categoria Política - blogs pessoais. A representante do blog, que resolveu usar o microfone para fazer uma espécie de "mini-campanha" para a presidente-candidata, foi interrompida pelas vaias da plateia, que apenas refletiu o que a sociedade vem gritando todos os dias: o Brasil está saturado do discurso político petista. Isso sem falar no momento em que um dos presentes no prêmio saiu do auditório falando alto "não mereço ouvir isso", e iniciou um pequeno bate-boca com a representante do blog, que logo foi contido pelo orador do evento. Sim, altas emoções!

Outro momento polêmico foi durante a entrega de um dos trofeus a um blog de games. O blogueiro, do alto de seu ego inflado pelo momento, resolveu discursar sobre como os blogs brasileiros são desvalorizados com exceção aos blogs de games que, como o dele, ganham muito dinheiro. Falou alguns minutos sobre como ele ganhava muito dinheiros e os demais blogueiros eram humildes desvalorizados quando resolveu dirigir seu desafeto à imprensa e aos jornalistas brasileiros, a quem se referiu como pessoas que "ganham muito dinheiro sem saber porra nenhuma". Sabe a pessoa que perde a oportunidade de ficar quieto? Foi isso que aconteceu com nosso amigo, que foi cutucado por quase todos os demais que subiram ao palco para receber seus prêmios, em sua maioria jornalistas que se sentiram atingidos pelo comentário do amigo. 

E para encerrar, o Blog Novas Ideias, indicado ao Top 3 na categoria Variedades - juri acadêmico, ficou com um bem-vindo terceiro lugar. Considerando que somos um blog sem grandes apoios nem muita estrutura, e lembrando que em 2012 também concorremos e sequer chegamos ao Top 100, o terceiro lugar é um grande presente que nos enche de alegria e nos motiva a continuar em frente, buscando sempre não uma colocação melhor nas próximas edições, mas conteúdo de qualidade. Prêmios são consequência de bons trabalhos. Aproveitamos para dar os parabéns aos blogs Internerdz e Ativar Sentidos, respectivamente Top 1 e Top 2 na mesma categoria que a nossa. E aproveitamos ainda para dar um parabéns especial a dois amigos que fizemos na premiação: o Vitor Siqueira, blogueiro do Preservação Brasil, vencedor na categoria Sustentabilidade e à Adelita, blogueira da Canção Nova e responsável pelo blog Amigos do Ceu, vencedor na categoria religião.

E é isso. 2014 segue e ainda temos muito o que fazer nesse ano. Vamos em frente!


Weslley Talavera
Administrador do blog

A censura como caminho mais fácil


O que fazer quando alguém fala algo que te incomoda? Discutir, ouvir o que o outro diz e tentar responder, argumentar, mostrar fatos e, se o outro estiver certo, aceitar e tentar corrigir? Não no Brasil. É, aqui resolvemos as coisas de um jeito mais fácil: fazer o outro calar a boca. Simples!

E quando o assunto é fazer calar a boca temos especialistas poderosos. Um deles é o nosso Governo, que tem sérios problemas com opiniões contrárias. Quando alguém fala algo que não o agrada, o Governo Brasileiro simplesmente tenta fazer seu oponente calar a boca ou tenta "extirpa-lo", né Lula? Seja quem for. Se for a imprensa, o governo cria um pacote de projetos falaciosos com o objetivo de controlar o que a imprensa diz. Se for um partido de oposição, tenta desacreditá-lo. Se for um jornalista ou emissora específicos, o jeito é fazer o coitado calar a boca, mesmo. 

E foi o que aconteceu com a jornalista Rachel Sheherazade (eta nome difícil de escrever!), que apresenta o tal SBT Brasil (alguém aí assiste?), no SBT. Com a desculpa de que a jornalista teria incentivado o ódio ao apoiar ações de "justiceiros" que agrediram e amarraram um bandido a um poste, nosso querido Governo pressionou por todos os lados: tentaram incriminar a jornalista, depois jogaram a bomba no colo da emissora. Uma comunista mal comida tentou propor que o Governo cortasse verbas publicitárias (e não há uma emissora nesse país que sobreviva sem verba publicitária do Governo) e teve gente falando em caçar a concessão do SBT. Sim, esse barulho todo por causa de um trombadinha amarrado num poste. Ou melhor, não foi só por isso. O trombadinha amarrado no poste foi um pretexto. A coisa é um pouquinho mais complicada.

Apesar de ser um fiasco total de audiência, o SBT Brasil era um dos únicos - ou o único - telejornal em TV aberta no Brasil que permitia aos seus apresentadores expor opiniões pessoais sobre qualquer assunto, até porque foi por causa de uma opinião pessoal que a Sheherazade (sim, de novo travei pra escrever esse nome) ganhou o sinal verde do dono da Jequiti e saiu de um jornal lá da Paraíba para apresentar o tal telejornal no SBT. E, ao longo de suas mil e uma noites a frente do jornal (piadinha batida essa, né?!) a Sheherazade havia se tornado a principal voz crítica ao Governo Federal e seus desmandos politiqueiros. Todas as noites ela não poupava críticas ao que não funcionava direito. Falava abertamente contra a tentativa petista de se apoderar da máquina pública para uso próprio, e não economizava nas palavras quando o assunto era expor o lado sujo e podre da política brasileira. Para quem não está contaminado pela imbecilização pseudo-esquerdista-lulista os comentários dela eram uma lufada de ar fresco numa imprensa medrosa, que evita ao máximo o confronto. Mas, como a gente sabe que administração Petista é igual Valesca Popozuda - bateu de frente é só tiro, porrada e bomba - era até de se esperar que essa liberdade dela durasse pouco tempo. E durou pouco, mesmo.

Eu disse que o SBT Brasil era um telejornal com liberdade de opinião, porque não é mais. Depois de tanta pressão vinda de Brasília, o SBT simplesmente resolveu dar uns dias de descanso pra... Pra apresentadora. Desisti de escrever o nome dela! Mas aconteceu que os dias de descanso acabaram. E aí, o que fazer? Ela tinha que voltar a trabalhar, e a petistada revolucionária de sofá estava atenta para ver qual seria o novo comentário da jornalista para prepara o novo ataque. Como fazer, Sílvio?

Bom, o SBT já tem um longo histórico de evitar qualquer crítica ao Governo e de puxar saco de presidente, seja ele quem for. E não, isso não é conversa de oposicionista. O próprio Avô do Tiago Abravanel disse numa entrevista à Folha em 1989 que era um "office boy de luxo" do Governo, que respeita o presidente "qualquer que seja o regime. Compreensível, se lembrarmos que a concessão da TVS foi um presente do Regime Militar como reconhecimento aos serviços prestados durante seu tempo de TV Globo, em que trabalhou duro no objetivo de ajudar a alienar o brasileiro, para que este não visse o que acontecia fora da janela de casa.  Foi nesse clima de amizade forçada com o Governo que o SBT levou ao ar a Semana do Presidente por cerca de 20 anos, um programa que tinha como objetivo bajular o presidente da República, fosse quem fosse.

Seguindo essa alinhamento ao Governo, o SBT decidiu mais uma vez seguir o caminho mais fácil e proibiu seus jornalistas de emitirem opinião. Esse alinhamento já estava claro com a demissão de José Nêumanne Pinto, outro crítico do Governo que foi tirado do ar. Com a Sheherazade (consegui!!!) a coisa não foi tão radical, mas tiraram dela seu maior atributo: suas opiniões fortes.

E assim caminha o Brasil, rumo ao fim da diversidade de opiniões. Pelo jeito que as coisas andam, não vai demorar muito para termos aqui uma democracia livre, aberta e acolhedora, mas só aos que defendem o Governo. 

Em cima do muro com Valesca



Eu gosto de pensar que o Brasil está numa fase de transição. Historicamente somos conservadores. Fomos colonizados por portugueses católicos e nossos maiores herois nacionais são padres e santos (São José de Anchieta, Padre Antônio Vieira, São Paulo, por exemplo). Somos um país onde a religião e todo o conservadorismo que sempre a envolveu tem muita força como formadora de opinião de massas, mas os tempos modernos nos tem colocado em contato com o extremo disso tudo. Se por um lado sempre tivemos a influência do conservadorismo, por outro lado bombam todos os dias pessoas e situações que nos questionam, nos tiram da nossa zona de conforto e nos fazem pensar sobre tudo aquilo em que acreditamos. Nossa atual situação é a prova de que nem sempre os opostos se atraem. Pelo contrário. As vezes os opostos travam guerras intensas. 

Penso que estamos numa ponte bastante frágil que liga o conservadorismo extremo à libertinagem total, e ainda não encontramos um ponto seguro onde nos apoiar. Sim, ainda balançamos bastante, sem saber se voltamos atrás e nos seguramos novamente no lado conservador ou se corremos para frente e chegamos na falta total de limites. E essa insegurança nos incomoda, pois não gostamos de riscos. Queremos um lugar certo para estar. Não gostamos da dúvida. Queremos certezas, mesmo que para isso não precisemos questionar muito. E o momento atual é de dúvida: continuamos conservadores? Aceitamos tudo como normal e dane-se o universo? Se preocupar com o futuro ou ativar o foda-se e ser feliz?

Só isso explica tanta polêmica, tanta opinião contrária, tanto debate inútil que não leva a lugar nenhum. Todos os dias vemos extremos se conflitando, opostos se atracando. As opiniões conflitantes resolveram entrar no ringue e disputar a tapa quem leva o cinturão que dará ao vencedor o título de "lado certo". Gays e héteros, esquerdistas e direitistas, moralistas e libertários, homens e mulheres, todo dia vemos uma polêmica diferente. E isso é bom. Não porque um dos dois lados tem que vencer e lançar o outro no calabouço da ideia morta, mas para encontrarmos um meio termo entre o "nem tanto" e o "nem tão pouco". Sim, estar "em cima do muro" muitas vezes é bom. Nos dá uma boa visão de ambos os lados. 

Sim, tudo isso me veio à mente a partir da Valesca Popozuda. Não só por causa dela, mas pelo que ela representa atualmente. A tal prova de filosofia aplicada no DF que a tratou como "pensadora" - uma clara e divertida ironia - trouxe novamente ao debate - leia-se "ringue" - a questão do politicamente correto e da moral e bons costumes. Bater de frente é o que? Tiro, porrada e bomba? Eis uma questão que nem Sófocles poderia responder. Mas a Valesca respondeu. 

A Valesca por si só não diz muita coisa, até porque ela não tem quase nenhum dos atributos que classificaria alguém como "artista": canta mal, interpreta mal, tem uma voz horrível e nem é tão bonita assim. Até a fabricada Anitta ganha dela nesses quesitos. Mas, muito diferente da Anitta, ela representa um outro lado da nossa sociedade, que sempre existiu mas esteve quieto até agora: o da liberdade total, o da "vadia", a "periguete", que está se lixando pra moral e bons costumes, e só quer mesmo é viver conforme suas próprias regras. 

Sim, é um outro extremo, mas ele existe, e veio novamente ao debate depois do "beijinho no ombro" que vem marcando presença em todo lado. Mandar beijinho no ombro é moda, principalmente se o alvo forem as invejosas de plantão. Os conservadores enlouquecem com essas coisas. Os "moderninhos" vibram. Os que não são nem um, nem outro? Bom, esses ainda estão tentando entender o que está acontecendo no Brasil. Eu me enquadro entre esses, que não são tão chatos, mas não conseguem ir tão além assim. 

Onde isso tudo vai dar? Não sei. Mas quero acompanhar. Esse conflito só tem coisas boas a oferecer. Sem saber, Valesca Popozuda está contribuindo para o nascimento de uma nova sociedade, uma legião de pessoas que assumidamente querem estar em cima do muro, sem se fecharem em qualquer rótulo, abertas a experiências novas. Que mal há em ser apreciador de Chico Buarque e ouvir algum funk carioca? Ou vai dizer que você nunca se contagiou com aquela batida que parece virar chiclete? Gosto dessas mistura. Gente completamente diferente que se junta de vez em quando pra fazer alguma coisa. Clássico e popular. Sofisticado e simples. É legal!

Vai, quebra um pouquinho esse preconceito e aprecie o muro. E pra quem gosta de viver no chão, fechado em apenas um lado da história e gosta de reclamar  de tudo, "late mais alto, que daqui eu não escuto". 

A chatice politicamente correta!


É sério: essa onda politicamente correta brasileira tá ficando chata, já! Essa gente mal amada que não sabe abstrair nem entender brincadeiras se propaga como vírus e ganham mais força todos os dias.

O alvo da vez foi uma campanha da Avon pra apresentação de um novo modelo de rímel pra cílios. A campanha, intitulada #MegaPraCima trás um comercial com uma atriz lindíssima fazendo comentários bem irônicos sobre seu corpo e... Bom, vejam o comercial:



Bom, o comercial é uma grande brincadeira sobre a maior das preocupações femininas: o peso. Sim, me aponte uma mulher no mundo que não queira perder dois quilos, se puder. Toda mulher, independente de idade, classe social, religião e qualquer outra variável quer perder peso. E a grande sacada do comercial foi mostrar que o tal rímel levanta a autoestima feminina independente de qualquer imperfeição que essa mulher julgue ter. 

Mas, como brasileiro tem uma dificuldade enorme de entender qualquer coisa que não seja muito bem explicada, é lógico que não entenderam a propaganda assim. Daí pra considerarem a propaganda machista, preconceituosa, dominadora, capitalista foi um pulo. E quando o assunto descamba pra esse lado já viu: sobra até pra Globo, que é a grande culpada pelos males do universo desde a queda de Adão e Eva até a tomada da Crimeia pela Rússia. Pipocaram comentários raivosos, típicos dos nadego-anarquistas que vivem de se revoltar contra o planeta com a bunda descolorada colada no sofá. 

Para, gente! Tá ficando chato, já. Sério. Essa gente que não tem contra o que protestar, que vive de procurar polêmicas baratas para posar de defensor dos direitos humanos não vai cansar não? Sim, porque nessa hora chove gente defendendo o direito ao corpo da forma como ele está, criticando o preconceito contra a obesidade, mas são os mesmos que olham torto se veem um gordo comendo bolacha recheada no metrô, ou fazem cara de cu face anal quando estão no banco apertado do ônibus e vem um gordo para sentar ao seu lado. Para! 

Abstraiam um pouco. Faz bem!

Somos Top 3


Sim, é isso mesmo que você leu! Após ter sido classificado, com a ajuda de todos vocês, pelo voto popular ao Top100 do Top Blog, o Blog Novas Ideias está no Top3, na categoria Variedades / Júri Acadêmico.

Com sete anos no ar e sendo um dos blogs brasileiros mais antigos ainda em atividade, o Blog Novas Ideias acaba de ganhar seu primeiro prêmio. Mais do que o reconhecimento de um juri especializado, essa conquista só reforça que estamos no caminho certo ao promover o debate aberto e direto sobre qualquer assunto, seja através de entrevistas, de posts de opinião que repercutem longe. E agora entendemos que esse é o caminho: promover a diversidade de ideias e pensamentos, ouvir todos os lados e expor cada visão de mundo, para que o leitor forme sua opinião.

A divulgação oficial da colocação do blog entre os Top3 e a entrega do prêmio estão marcadas para o dia 25 de abril, sexta-feira, a partir das 18:00. Aguardem mais notícias.

Muito obrigado! 

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2014
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2013
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2012
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2011
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2010
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2009
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2008
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2007
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub